Archivo mensual: enero 2010

Stanley Ho e Isabel dos Santos Juntos no Mercado do Jogo

A empresária, filha do presidente da República angolano, José Eduardo dos Santos, associou-se a Stanley Ho para entrar na exploração de casinos em Angola e está a disputar as salas disponíveis e projectadas para o país com a Plurijogos, de Kundy Paihama (ministro da Defesa), segundo noticiou a “newsletter” Africa Monitor.

A mesma fonte adianta que a Plurijogos perdeu para a Stanley Ho e Isabel dos Santos o contrato para a gestão do casino do novo Hotel Intercontinental (cinco estrelas), que se encontra em fase final de construção.

Esta unidade hoteleira e mais três torres que estão a ser erguidas no local pertencem a um consórcio entre a Sonangol e o Grupo Suninvest, vulgarmente apresentado como “braço” da Fundação José Eduardo dos Santos para os investimentos.

Também o futuro casino do Complexo Gika, em Luanda, que estava prometido à Plurijogos, está agora também destinado a ser gerido pela empresa de Isabel dos Santos e Stanley Ho, de acordo com a agência Macauhub.

Actualmente, a Plurijogos detém a sala de jogos do Hotel Tivoli e as casas Embaixador, a coberto de um exclusivo da gestão das salas de jogo em Luanda.

Há muito que a sociedade de jogos de Ho pretendia aceder ao mercado angolano, o que inicialmente se previa que viesse a acontecer através da Estoril Sol, concessionária de jogo portuguesa do empresário de Macau.

Mário Assis Ferreira, administrador da concessionária portuguesa, afirmou mesmo aquando da inauguração do Casino Lisboa, que assim que entrasse em velocidade de cruzeiro este investimento de perto de 100 milhões de euros na capital portuguesa o objectivo seria não apenas Angola, mas também Moçambique, Brasil e Espanha.

A concessionária portuguesa gere nos arredores de Lisboa o maior casino da Europa, o Casino do Estoril.

Através da “holding” Geocapital, Stanley Ho está também presente no sector financeiro de Moçambique (Moza Banco), Guiné-Bissau (Banco da África Ocidental) e prepara operações em Timor-Leste e Cabo Verde.

No final de 2008, foi anunciada a parceria entre a Geocapital, de Stanley Ho e Ferro Ribeiro, e a petrolífera estatal angolana Sonangol – a Geopactum no âmbito da qual Ho e Ferro Ribeiro entram no Banco Privado Atlântico (BPA).

Esta parceria acaba por ter implicações na gestão do maior banco privado português, Millennium bcp, uma vez que os angolanos detêm 10 por cento do capital e Stanley Ho cerca de 3 por cento, tornando-se a principal força dentro do Conselho de Administração.

Os planos iniciais da Geocapital para Angola previam a entrada no Banco Angolano de Negócios e Comércio (BANC), de Kundi Paihama, virando-o para a comunidade chinesa, através da intervenção em investimentos no sector privado, com concessão de crédito ou tomada de participações.

Isabel dos Santos afirmou-se nos últimos anos como uma das figuras mais influentes do meio empresarial angolano e mesmo no português.

Tem importantes investimentos no banco português BPI, no Banco Espírito Santo Angola (BESA), no BIC português, na Unitel (operadora móvel de Angola), na Portugal Telecom (PT) e é sócia de Américo Amorim, com quem participa em acções na Galp Energia, através da Empresa Amorim Energia.

No caso dos investimentos angolanos em Portugal, estes são protagonizados por apenas duas entidades e em três empresas. Primeiro foi a entrada da Sonangol e de Isabel dos Santos, via Esperaza, na Amorim Energia, da qual controlam 45% do capital, ou seja, 15%, de forma indirecta, da Galp, avaliados em 1206 milhões de euros.

Depois, a petrolífera angolana começou a comprar acções do BCP, detendo já dez por cento e que, ao valor de cotação de 1 de Setembro, valiam 424 milhões de euros. Mais recentemente, Isabel dos Santos, através da Santoro, ficou com os 9,7 por cento do BPI que estavam nas mãos do BCP.

Fonte: Apostolado-Angola

MIG-21 perdido en el norte de Namibia

On 14/12/89, about one year after the end of the campaign, this Angolan MIG21 got lost on a ferry flight and ran out of fuel in N. Namibia. It is currently on display at the SAAF museum at Zwartkops AFB, Pretoria. Photo of SA-Bushwar

El 14/12/89, alrededor de un año después del final de la campaña, este MIG-21 de Angola se perdió y quedó sin combustible en el norte de Namibia. En la actualidad está en exhibición en el museo SAAF en Zwartkops AFB, Pretoria. Foto tomada de SA-Bushwar

Shot down FAPLA aircraft

MIG-23ML con el indicativo C477 de las FAPLA derribado en la zona de Cuito Cuanavale en septiembre de 1987. Según W. Marshall a través de Tom Cooper, el agente de la CIA a la izquierda inspeccionaba elementos como cabina y cúpula del radar.

MIG-23ML with C477 FAPLA indicative shot down in September 1987 Cuito Cuanavale area. According to W. Marshall via Tom Cooper, the CIA left inspected items as cabin and radar dome.

Cuito Cuanavale: Aeronaves cubanas derribadas/ Shot down Cuban aircraft

Angolan MIG-23 in Menongue

Cuito Cuanavale. Aeronaves cubanas derribadas

– Octubre 24, 1987: El MIG-23ML del Cap. Lorenzo Morales Ramos es derribado por MANPAD de la UNITA , resultando muerto el piloto.

– Octubre 28, 1987: Un MIG-21UM es derribado por UNITA MANPAD en Luvuey. Sus tripulantes, Tte.Cor. Manuel Rojas y Cap. Ramón Quesada Aguilar son capturados por la UNITA y presentados a la prensa extranjera en Jamba, mientras aún se combate en Cuito Cuanavale.

– Noviembre 21, 1987: El MIG-23ML de Bárbaro Raúl Quiala Castañeda es derribado cerca de Luena. Aunque no existen muchos datos, las operaciones de esa base estaban relacionadas con la situación en el área de Cuito Cuanavale.

– Diciembre 20, 1987: Un helicóptero MI-8T, pilotado por el 1er. Tte. Alejandro Díaz, cae en Tempue.

– Enero 14, 1988: Otro MIG-23ML, pilotado por el Capt. Francisco A. Doval, es derribado en Cuito Cuanavale, según algunas versiones por UNITA MANPAD, según otras por fuego amigo de un SAM-7.

– Enero 21, 1988: El Cap. Carlos Rodríguez Pérez resulta muerto al ser derribado su MIG-23ML sobre Menongue. No hay más datos.

– Febrero 15, 1988: Derribado el MIG-23ML del Cap. Juan P. Rodríguez (Capri) en Cuito Cuanavale, resultando muerto su piloto.

– Marzo 17, 1988: Fallece el piloto Ernesto Chávez al ser derribado su MIG-23ML en Cuito Cuanavale por AA Ystervark 20 mm de SADF.

– Abril 27, 1988: Por error de las propias TCAA cubanas es derribado sobre Cahama un AN-26 donde viajaba una comisión de altos oficiales involucrados en la planificación de las acciones, resultando muertas 26 personas, entre ellas el Gral. Paco Cruz y el Brig.Gral. Francisco Cruz Bourzac.

– Noviembre-Diciembre, 1987: Hay reportes de al menos dos MIG-23ML y dos MIG-21 derribados por UNITA MANPAD y AA de SADF en la zona de Cuito Cuanavale, sin más datos.

– Enero-Marzo 23, 1988: Reportes de dos MIG-23ML, un MIG-21 y un SU-20M más, derribados en la zona de Cuito Cuanavale sin datos que permitan identificar nacionalidad.

– La última pérdida reportada es la de un MIG pilotado por Julio de Jesús García Herrera –sin más datos- en diciembre de 1988.
………………

English (Machine translation)

– October 24, 1987: The MiG-23ML, Div. Lorenzo Morales Ramos is shot down by MANPADS UNITA, killing the pilot.

– October 28, 1987: A MIG-21UM is shot down by UNITA in Luvuey MANPADS. His crew Tte.Cor. Manuel Rojas and Cap. Ramon Quesada Aguilar are captured by UNITA and submitted to the foreign press in Jamba, while still fighting in Cuito.

– November 21, 1987: The MiG-23ML Barbaro Quiala Raul Castaneda is shot down near Luena. Although there are many data base operations that were related to the situation in the area of Cuito.

– December 20, 1987: An MI-8T helicopter, piloted by 1st. Tte. Alejandro Diaz, falls into Tempue.

– January 14, 1988: Another MiG-23ML, piloted by Capt.. Francisco A. Doval, is shot down in Cuito, according to some accounts by UNITA MANPADS, according to others by friendly fire a SAM-7.

– January 21, 1988: Ch. Carlos Rodriguez Perez is killed when his MiG-23ML shot down on Menongue. No more data.

– February 15, 1988: MiG-23ML shot down the Cap. John P. Rodriguez (Capri) in Cuito, killing its pilot.

– March 17, 1988: Death of Ernesto Chavez pilot shot down the MiG-23ML in Cuito AA Ystervark SADF 20 mm.

– April 27, 1988: On the error of their own is shot down over Cuban TCAA Cahama AN-26 he was traveling a committee of senior officers involved in the planning of actions, killing 26 people, including Gen. Paco Cruz and Brig.Gral. Francisco Cruz Bourzac.

– November-December 1987: There are reports of at least two MiG-23ML and two MIG-21 shot down by MANPADS UNITA and SADF AA in Cuito area, without more data.

– January-March 23, 1988: Reports of two MiG-23ML, a MIG-21 and SU-20M more in the area felled Cuito without information identifying nationality.

– The last loss reported is that of a MIG driven by Julio de Jesus Garcia Herrera-without more data, in December 1988.

Los MIG-23 no le rompieron el corazón a nadie

En junio de 1988, en una operación concebida y dirigida por Fidel Castro desde La Habana, tropas de la División 50 se desplazan por el suroeste angolano hasta la frontera con Namibia. El 27 de junio aviones MIGs cubanos atacan las instalaciones hidroeléctricas en Calueque y Ruacaná, protegidas por una pequeña guarnición militar sudafricana. Al desplazamiento de gran número de tropas y equipos por un terreno no ocupado por el enemigo se le llamó “ofensiva”; al bombardeo sobre instalaciones civiles que prestaban además un servicio a la propia Angola, se le consideró “el más exitoso ataque aéreo cubano de la guerra”. Para corroborarlo la propaganda oficial y los “tontos útiles” muestran la imagen de un grafiti sobre un muro de la destruida represa que dice: “MIK23 sak van die kart” y que traducen como: “MIG-23 nos rompieron el corazón”.

En realidad la frase en afrikaans “nos rompieron el corazón” tendría que escribirse: “MIG-23 dit he tons hart gebreek”. Lo que aparece en la foto vendría siendo “MIK23 la bolsa de la carreta”, o “del vagón”. Actualizando su versión las fuentes pro-castristas pretenden darle ahora otro significado: “Los MiG-23 nos sacaron del mapa”, o “Los MiG-23 nos dejaron fuera de combate”, o “Los MiG-23 nos patearon”, lo cual no se diferencia en esencia de la conocida interpretación “Los MiG-23 nos partieron el corazón”. Para ello, claro, hay que aceptar que de cualquier manera el autor del grafiti no sabía escribir bien ni el nombre del avión ni el idioma en que lo estaba haciendo.

Pero hay una versión más actual y pausible: guerrilleros namibios que luchaban contra Sudáfrica –y que hablaban una jerga particular al tratar de comunicarse en afrikaans-, lo habrían escrito al arribar al lugar poco después del bombardeo y antes de que tomara la imagen el afortunado fotógrafo que tantas cosas desconocía.

(Publicado  originalmente en La Ultima Guerra)

The Dark Side of the War/ La cara oculta de la guerra/ 27

Capitán Jorge González Pérez, caído en Angola. El avión MIG-23ML que pilotaba fue derribado cerca de Menonge el 25 de julio de 1986. Las pérdidas de aeronaves cubanas, en su mayoría aviones MIG y helicópteros MI-8T, ascendieron a más de 50 durante la guerra. Algunas fueron derribadas por cohetes Stinger –UNITA MANPAD- y algunas, incluso, por fuego amigo.

Captain Jorge Gonzalez Perez, killed in Angola. The MiG-23ML plane he was piloting shot down near Menongue on 25 July 1986.
The Cuban aircraft losses, mostly MIG and MI-8T, amounted to over 50 during the war. Some were shot down by Stinger rocket -UNITA MANPADS- and some even by friendly fire.

Jonas Savimbi: O dedo envenenado russo-cubano

A nenhum observador atento passava despercebido o desejo de supremacia que cada um dos movimentos de libertação procurava obter sobre os restantes. Daí a uma corrida ao armamento foi um abrir e fechar de olhos. Por estar enfeudado à União Soviética, o MPLA partia com certas vantagens. Devido à sua política em relação à África, a União Soviética não hesitaria em fornecer armamento, e, se necessário, instrutores e mercenários, para que o movimento de Neto pudesse rapidamente guindar-se a uma posição de supremacia sobre a FNLA e a UNITA. E foi o que realmente aconteceu.

Os primeiros aviões, vindos do Uganda, aterraram no Luso em Maio de 1975, e desembarcaram armamento destinado ao MPLA, perante a passividade do exército português, a quem cabia, na altura, a responsabilidade da manutenção da ordem. Toda a costa angolana, mas sobretudo a compreendida entre a Barra do Cuanza e o Dande, servia para o desembarque de material, isso com o conhecimento e até com a cooperação das forças armadas portuguesas. Como digo atrás, cada movimento procurava afirmar-se militarmente. O MPLA era, no entanto, o mais interessado nessa corrida, pois que o jogo democrático acordado no Alvor nunca poderia facilitar os seus intentos.

A UNITA sabia, a priori, que seria a vencedora de qualquer tipo de eleições. Apesar disso, também tentou rearmar-se, também procurou meios para reforçar o seu potencial militar. Mas, por nunca se ter enfeudado a qualquer potência, não encontrou aliados e teve dificuldades. Para contrabalançar a ajuda militar soviética ao MPLA, dirigiu-se sucessivamente aos americanos, franceses, ingleses, romenos, jugoslavos e a alguns países africanos. Porém, os seus apelos não tiveram eco.

É verdade que, em dado momento, alguns países africanos amigos se propuseram armar quinze mil homens da UNITA, para que esta, assim fortalecida, pudesse servir de equilíbrio entre rivalidades antigas e ameaçadoras do MPLA e da FNLA. Foi nessa altura, que o então major Melo Antunes, numa viagem feita a Dar-es-Salam e a Lusaka, surgiu a convencer a Tanzânia e a Zâmbia de que ele, Melo Antunes, iria proceder à entrega de quinze mil armas à UNITA. Aqueles países africanos concordaram com essa proposta maquiavélica, que, no fundo, apenas visava atrasar o esforço da UNITA de armar melhor as suas forças.

Naturalmente que a UNITA nunca recebeu as quinze mil armas prometidas por Melo Antunes. Recebeu, sim, umas pobres mil e quinhentas G3 no Huambo — entrega que suscitou imediatamente problemas com oficiais portugueses, que cumpriam em Angola instruções do Partido de Álvaro Cunhal. Com o equipamento moderno de que MPLA se estava a dotar e com a chegada de instrutores e técnicos cubanos para as suas forças, não era difícil profetizar que dias amargos e sangrentos aguardavam a independência de Angola!

Em Janeiro de 1975, quando da formação do Governo de Transição, já havia cubanos em Luanda. O seu número aumentou em Abril, por ocasião da minha visita àquela cidade. Nessa mesma altura, Massangano já era uma base de treino do MPLA, com instrutores cubanos. Foi ainda nesse mês, também, que um avião português foi alvejado nos morros de Massangano, o que levou a Força Aérea Portuguesa a encarar a hipótese de uma acção punitiva contra aquela base.

Embora desconhecendo-se o seu número exacto, é indesmentível que os cubanos começaram a chegar a Angola em Janeiro de 1975. Mesmo dando de barato que em Massangano, em Luanda ou numa outra base, os seus efectivos não iam além de uma centena, é lógico que Cuba, mal a ameaça de guerra civil se desenhou mais nitidamente no horizonte angolano, se sentiu na obrigação militante de reforçar esses efectivos. Até porque o governo de Havana não devia estar nada interessado em que os seus soldados ou técnicos fossem dizimados ou capturados.

Qualquer argumento que tente justificar a presença de soldados cubanos em Angola como forma de contrapor à intervenção sul-africana, é, pois, redondamente falso, pois não resiste à análise dos acontecimentos. Só o armamento maciço recebido da Rússia e o treino acelerado ministrado pelos cubanos às suas tropas permitiram ao MPLA recuperar o atraso militar de que sofria e combater com algum êxito a FNLA e a UNITA. Não seria certamente um MPLA saído da guerra colonial, profundamente dividido, com os seus elementos desgarrados, que poderia de um dia para outro defrontar os outros dois movimentos e conseguir algumas vitórias.

Em confronto com o poderoso equipamento militar concedido pela União Soviética ao MPLA, a UNITA apenas recebeu, dos vários países com quem contactou, quatrocentas armas. Por uma questão de rigor histórico, esclareço que esses países foram a Zâmbia, a Tanzânia, a Roménia e o Congo-Brazzaville. Cada um deles ofereceu-nos uma centena de armas. Mais nenhum outro pais nos ajudou. E se a UNITA tivesse disponível o armamento que possui hoje na guerra contra russos e cubanos, nunca por certo teria perdido as áreas que controlava. E talvez tivesse conseguido encontrar, na altura, uma solução política.*

*Jonas Savimbi, Angola, a resistência em busca de uma nova nação, Agencia Portuguesa de Revistas, 1979